Deixe um comentário

Crítica: Golpe Duplo

29vndkgWill Smith afirmou recentemente em uma entrevista que após o fracasso da ficção científica Depois da Terra, co-estrelado pelo seu filho Jaden Smith, decidiu que precisava reavaliar a sua carreira. O ator começa uma nova fase em sua carreira com o agradável Golpe Duplo,  filme dos diretores Glen Ficarra e John Requa (O Golpista do Ano e Amor a Toda Prova).

Na trama, Smith vive Nicky, integrante de uma família de ladrões e obviamente especialista na arte do roubo. Nicky conhece em uma noite Jess (Margot Robbie, de O Lobo de Wall Street), uma jovem que aplica pequenos golpes e que se torna rapidamente aprendiz de Nicky, uma relação que logo vira um romance. Depois de mostrar através do humor negro o mundo dos criminosos com O Golpista do Ano, Ficarra e Requa, que também assinam o roteiro deste novo filme, voltam ao mesmo universo, mas desta vez contam uma história mais elegante e até sensual.

423A primeira parte do filme é bastante atraente, o público é introduzido através do charme de Smith ao mundo dos golpistas e Nova Orleans funciona como o cenário perfeito para Jess aprender a arte do roubo retratada de forma didática, até demais, e quase como se fosse um truque de mágica que requer habilidade e elegância. Uma divertida história de assalto que atraí atenção também por ter uma dupla principal com uma excelente química, Robbie e Smith formam uma dupla atraente e que funciona mais como parceiros do crime do que como um casal. Smith usa seu conhecido charme de uma nova maneira ao interpretar um anti-herói, Nick é admirável pela sua inteligência, mas jamais deixa de ser um ladrão que se aproveita das outras pessoas. A linda e carismática Margot Robbie funciona bem como a ponte entre o público e este mundo do crime, a cada nova lição Jess ganha mais personalidade.

A melhor cena do filme se passa durante o Super Bowl e prende atenção do público tanto pela sua montagem como pela tensão criada, funciona também como o momento de divisão da história e também de mudança de tom no filme. Golpe Duplo começa cair drasticamente de nível no instante que a trama de assalto é colocada em segundo plano e cresce o espaço do romance da dupla principal. A segunda parte apresenta o personagem de Rodrigo Santoro, repetindo a parceria de O Golpista do Ano com os diretores, como Garriga, o dono de uma escuderia que deseja ganhar uma corrida de automóveis e para isso precisa dos serviços de Nicky. O roteiro perde sua elegância e se perde em uma segunda parte menos criativa e com um excessivo número de reviravoltas, a maioria bem previsíveis, concentrando-se demais no romance de Nicky e Jess que deixam de ser criminosos admiráveis e passam a ser um casal bem chatinho, Nick ao se apaixonar perde seu charme, o bandido acaba virando um herói e Jess a mocinha indefesa.

29vndkgO maior acerto de Requa e Ficarra na segunda parte do filme é deixar para o final a maior e melhor reviravolta da história, daquele tipo que realmente pega o público de surpresa. Mesmo com suas imperfeições Golpe Duplo consegue ser um filme bastante atraente, especialmente pela sua primeira parte. Will Smith começa muito bem esta nova fase de sua carreira e parece preparado para enfrentar novos desafios.

tres

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s