1 comentário

Série Nova: American Crime – 1×01 – Pilot

americancrime_gallery_cast_1200_article_story_largeA questão do preconceito racial nos EUA, e no resto do mundo, voltou a ser bastante discutida nos últimos anos e consequentemente voltou a ganhar destaque no cinema e na televisão. John Ridley, roteirista de séries como Thrid Watch e ganhador do Oscar de Melhor Roteiro Adaptado por 12 Anos de Escravidão, entra nesta discussão através da sua nova série American Crime. Objetivo da série é colocar em discussão a questão do preconceito racial nos EUA em relação aos negros e hispânicos, para isso Ridley criou uma história sobre o assassinato de um casal de brancos, onde os acusados pelo crime são latinos e negros.

A trama acompanha o assassinato de Matt e a violenta agressão e estupro de sua esposa Gwen que após o ataque fica em coma, ambos brancos, ele um veterano que se alistou após o ataque terrorista de 11 de setembro e ela uma ex-miss da cidade de Modesto, um casal considerado perfeito. O pai de Matt é Russ (Timothy Hutton, de Leverage ) que depois de anos lutando anos contra o vício em jogos tenta se reaproximar de seus filhos, o já citado Matt e Mark. Barb (a espetacular Felicity Huffman, de Desperate Housewives) é a mãe de Matt, uma mulher que teve que criar sozinha seus filhos e que enfrentou preconceito racial por sua família ser a única branca em um bairro predominantemente habitado por negros, com isso acabou se tornando uma pessoa bastante racista.

A outra família principal da história são os latinos Gutierrez, o patriarca é Alonso (Benito Martinez, de  House of Cards), um mecânico viúvo que teve que cuidar sozinho de seu casal de filhos, um homem exigente e que faz de tudo, nem sempre da maneira certa, para evitar que seus filhos sigam pelo caminho errado. Tony (John Ortiz) é filho de Alonso, um jovem que não gosta da educação restrita do seu pai e que sem querer acaba envolvido no assassinato de Matt. O primeiro suspeito pelo crime é Hector (Richard Cabral, de Southland), um jovem traficante e aparentemente perdido, aproveito para comentar sobre o forçado diálogo no qual Hector reclama de ter levado um tiro de um policial, o que é questionável, já que ele fugiu ao ver os policiais. Um dos clientes de Hector é Carter (Elvis Nolasco, de Oldboy) que namora com Aubry (Caitlin Gerard, de A Rede Social), um casal não consegue abandonar o vício nas drogas, vício que leva Carter a cometer alguns crimes e o torna o principal suspeito pelo assassinato de Matt.

A intenção de John Riddley de colocar a questão do preconceito racial é corajosa e necessária, mas faltou sensibilidade e criatividade na hora de colocar essa ideia na prática. Riddley poderia ter criado uma história mais inovadora para colocar o tema do preconceito em discussão, não apenas uma trama óbvia, onde as vítimas são brancas e os suspeitos latinos e negros. Os personagens são comuns, Barb é aquela que foi vítima de preconceito racial e por isso virou racista, o que fica evidente em suas frases, como ao pressupor que todos os hispânicos são ilegais e ao pedir a pena de morte para o assassino de seu filho, essa sua postura racista diminui o impacto do drama da mãe que perdeu seu filho, além do que a família latina Gutierrez e o casal de drogados são personagens de mais fácil empatia do que a família da vítima.

A história não foge do lugar-comum ao colocar uma revelação, obviamente nos minutos finais, sobre a vítima que muda o cenário e faz com que leque de suspeitos cresça ainda mais, desta maneira o público terá que assistir os 11 episódios para descobrir quem é o assassino. Aposto que no fim os assassinos serão pessoas brancas e isso levará os personagens a repensarem os seus próprios preconceitos, principalmente Barb. Riddley acerta muito mais na parte técnica ao trazer um estilo cinematográfico para a televisão, com uma bela fotografia e uma atraente edição, além da ousada opção de quase não usar o artifício da música de fundo, dando a liberdade ao telespectador de sentir o que desejar em cada cena.

Vai dar certo? Incerto, é difícil dizer se American Crime vai dar ou não certo, isso depende de como o público vai reagir a história e a sua proposta. ABC inicialmente está tratando American Crime como uma minissérie, se a produção conseguir uma boa audiência e for renovada, a ideia é seguir o mesmo modelo de American Horror Story, apresentando a cada nova temporada um novo crime, mas mantendo o tema do preconceito racial e com a possibilidade de parte do elenco retornar em novos papéis.

Para quem gosta de…: séries criminais, discussões sobre preconceitos raciais, Felicity Huffman.

O TV Cinema e Música vai acompanhar? Não, estava bastante ansioso para assistir o piloto de American Crime pela sua proposta e elenco, por isso a decepção foi muito forte ao perceber que por mais que se esforce a série apenas repete chavões sobre o assunto e não traz absolutamente nada de novo para essa importante discussão, nada mais é do que mais uma série sobre a investigação de um crime.

dois_e_meio

Um comentário em “Série Nova: American Crime – 1×01 – Pilot

  1. Estou bem curiosa para assistir.
    Beeijos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s