Deixe um comentário

Arrow – 3×11 – Midnight City

ar311a0460bjpg-c41cda3Comparado ao episódio anterior este foi um pouco melhor e gostei mais da dinâmica da equipe Arrow sem seu líder. O Arqueiro é muito mais do que um herói, é a representação de um ideal de justiça, aquele que sempre estará presente para proteger e ajudar, a qualquer custo, as pessoas. A equipe Arrow sabe bem disso e por isso precisa continuar o legado de Oliver Queen, mas a equipe não está totalmente preparada para esse desafio.

Seria impossível Laurel conseguir do dia para noite se igualar a sua falecida irmã, quando vi o o drama que ela fez para levar alguns pontos, percebi que falta muito para Laurel chegar ao estágio que Sara estava antes de morrer. Laurel precisa provar a todos e a si mesma que pode encarar a responsabilidade de ser uma vigilante e vai apanhar muito até isso acontecer. O peso do uniforme da Canário fica ainda maior por causa do problema envolvendo seu pai, morri de pena do Quentin que acreditou que era a Sara no uniforme. Não sei até quando Laurel vai conseguir levar essa mentira, o modulador de voz criado por Felicity é apenas uma solução momentânea, Laurel precisa contar logo a verdade para Quentin, apesar de ele ser bem lerdo uma hora irá descobrir a verdade e talvez não consiga perdoar Laurel por ter escondido a verdade por tanto tempo.

A rainha de Arrow, Felicity, percebeu que não pode fugir do legado deixado por Oliver e que precisa continuar o seu trabalho, não por ele, mas pelas pessoas que ainda estão vivas e precisam de ajuda. Gostei mais das cenas de Felicity e Ray neste episódio, as piadas dele precisar do uniforme para se defender e a da chave do helicóptero foram bem engraçadas. Para Ray realmente funcionar na trama é essencial a presença de Felicity para guiá-lo no seu sonho de ser um herói, vamos ver se agora com o chip este uniforme fica logo pronto. Mesmo com a roupa, Roy está muito longe, até mais do que Laurel, de estar preparado para ser um vigilante, um traje especial não será o bastante para protegê-lo.

O que chamou minha atenção é como Roy e Diggle não conseguem se destacar mesmo sem a presença de Oliver. Diggle teve alguns bons momentos, sendo a voz da razão com os mais jovens e foi bonita a cena da homenagem a Oliver, mas foi só isso. Já Roy é um personagem que não convence, o que na minha opinião acontece muito pela limitada atuação de Colton Haynes. Até parece que um moleque como Roy seria capaz de colocar medo em alguém como Merlyn que riu de suas bobas ameaças, Meryln está mais preocupado com um ameaça bem mais séria com Ra’s querendo sua cabeça. Não estou gostando desta relação de Thea e Meryln, a história parece não evoluir e todo o discurso dela sobre ficar na cidade e lutar foi ingênuo demais, já que Thea não conhece o poder e a fúria de Ra’s.

Como escrevi no review anterior Brick (Vinnie Jones muito bom!) é o vilão perfeito para essa fase da história e que não vai cair facilmente. Brick aumentou o peso sobre Roy e Laurel ao matar friamente um dos vereadores, mas foi ridícula a cena da Canário chutando o saco do Brick, o clássico ponto fraco dos homens. O melhor foi que Brick no fim conseguiu o que desejava que é ser o novo dono dos Glades, a equipe Arrow terá trabalho para tirar Brick do poder, ainda mais sem ajuda da polícia.

Tinha certeza que era Felicity que estava sonhando com Oliver na cena inicial do episódio, mas na verdade era o próprio Ollie que não consegue parar de pensar na sua amada Felicity (que fofo), Oliver que está apenas começando a sua longa recuperação. Estou gostando da maneira que essa parte da história está sendo ligada aos flashbacks, despertando a curiosidade sobre o motivo de Maseo ter deixado de ser uma pessoa disposta a sacrificar tudo pela sua família para virar este homem frio e tão fiel a Liga, a minha suspeita continua sendo que o filho do casal morreu e que por isso eles se separaram. Maseo que continua sendo um personagem dúbio, disposto a sacrificar sua vida para ajudar Oliver ao mesmo tempo que colocou um espião para seguir Merlyn! Realmente não suspeitava que o DJ fosse um membro da Liga e isso pode melhorar e muito o enredo de Merlyn e Thea, claro que para Oliver será mais um motivo para voltar para sua cidade e ter um novo confronto com Ra’s para proteger sua irmã.

Comentário Extra:

Corrigi a nota dada ao episódio anterior, exagerei ao dar nota quatro e troquei por uma justa nota três. Obrigado ao leitor Adaílton que me avisou sobre isso.

tres_e_meio

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s