1 comentário

Sons of Anarchy – Sétima Temporada (Final Season)

ca1e047d4d654d5acd02965826d29af1Em sua sétima e última temporada Sons of Anarchy retornou às suas origens, seja pelo estilo de narrativa, com o Sons lutando contra as outras gangues, como pelo evento que começou essa história que foi a morte de JT e a complexa relação da família Teller. A temporada começou com, mais, uma mentira de Gemma que definiu o destino de um dos personagens mais marcantes da história da televisão, Jax Teller. Jax nos últimos anos tentou sair da vida criminosa e fazer com o que o SAMCRO tivesse apenas negócios legais, o que nunca conseguiu e o que acabou custando a vida de tantos entes queridos, principalmente a de Tara.

A mentira de Gemma levou Jax uma errada jornada de vingança contra os chineses, o que gerou uma série de eventos; a briga com Marks, a fortíssima morte de Bobby, os problemas com os irlandeses, o melancólico fim de Juice, talvez aquele que mais se sacrificou pelo Teller e o clube, a morte de Unser e que culminou com Jax matando um parceiro de Sons, o que praticamente definiu seu destino. Essa narrativa principal trouxe a série de volta ao seu ritmo alucinante das primeiras temporadas com o velho tema do Sons brigando com as gangues rivais, não faltaram cenas de perseguições de motocicletas, sangue e violência neste ano. O humor claro como sempre coube ao inesquecível Tig (Kim Coates) que teve uma das jornadas mais curiosas da série, terminando tendo um relacionamento estável com a adorável travesti Venus (Walton Goggins), um personagem único que não poderia ter um fim normal.

Sempre considerei Gemma (memorável atuação de Katey Sagal) uma mistura de heroína e vilã, sempre trabalhando entre estes dois lados e usando seu poder de encantar os homens, fez isso com JT, Clay,Unser, Nero e com o próprio Jax. Quando agia sem pensar Gemma era capaz de ter atitudes monstruosas, como ao matar Tara e até acreditou que sua mentira sobre a morte de sua nora duraria, mas era inevitável que a verdade fosse revelada. Jax saber através de seu pequeno filho Abel o que realmente aconteceu foi muito impactante, e até o próprio garoto começou a manifestar um comportamento violento, o que levou muito Jax a tomar a sua decisão final. A despedida de Gemma foi poética e linda, o diálogo com seu pai e a lembrança da garota pura e preocupada com as plantas que ela foi um dia, mais um exemplo como essa vida de crimes muda uma pessoa.

Outro marcante diálogo foi a conversa de Jax com Nero (Jimmy Smits, impecável) sobre como matar a sua própria mãe era algo que o mudaria para sempre, Charlie Hunnam nesta parte soltou lágrimas tão sinceras que nunca mais serão esquecidas. O próprio Jax disse que sua mãe sabia o que tinha de ser feito, ao apertar aquele gatilho e matar sua própria mãe Jax deu um passo sem volta, um ato que definiria seu futuro e que por mais forte que possa parecer, foi a decisão correta para essa realidade. Jax ao matar sua mãe entendeu que aquela ideia de deixar a vida do crime nunca realmente aconteceria, já era tarde demais para ele e estava envolvido demais para sair desta realidade

Jax acabou seguindo o mesmo caminho de JT, os diários, a jornada de tentar tirar o SAMCRO da criminalidade e com ambos sendo traídos por Gemma.“Eu sou um criminoso e um assassino. Eu preciso que meus filhos odeiem o pensamento sobre mim”. A diferença maior entre pai e filho é que Jax percebeu que essa tradição familiar dos Teller’s tinha que acabar com ele, não poderia deixar seus pequenos e inocentes garotos entrarem neste círculo vicioso, por isso precisava acabar com a existência dos negócios da família e não deixar nenhum motivo para as crianças retornarem para Charming. Jax não poderia ter feito melhor escolha do que deixar suas crianças com Nero e Wendy, duas pessoas que quase perderam tudo ao se envolverem com a violenta vida do SAMCRO e dos Teller’s e que por isso vão aceitar a decisão de Jax.

Wendy passou por uma jornada muito bonita de redenção até se tornar essa mulher realmente preparada para cuidar muito bem de seu filho e o de Tara, foi tocante o diálogo que Jax contou para Abel sobre Wendy ser sua mãe de verdade e também foi bonita a última noite deles juntos, a última mulher que Jax dormiu foi aquela que lhe deu seu primeiro filho. Ainda mais bonito foi a despedida de Jax com Nero, um homem que já sabia o peso da vida do crime, a qual abandonou e depois voltou por causa de Jax e Gemma, uma das cenas mais marcantes da série foi Nero sentando na calçada e chorando desesperado ao descobrir o que Gemma fez com Tara, Gemma foi a mulher que ele mais amou e odiou em sua vida.

Depois de três temporadas dizendo que tiraria o SAMCRO da vida criminosa, Jax finalmente fez isso, mas sabia que não poderia terminar vivo depois disso. Fechou todas as pontas soltas ao deixar o clube apenas com os negócios do prostíbulo e do estúdio de filmes pornográficos, acabou com o preconceito racial do clube, o deixando aberto para qualquer pessoa, não importando sua cor ou local de nascimento, revelou para Patterson sobre os locais dos corpos de Gemma e Unser e para completar entrou em uma jornada final de sangue ao matar Marks, Barosky e um dos Reis do Ira, terminando de uma vez a relação do clube com os irlandeses.

Com meus quase 30 anos de vida e não sei quantos deles assistindo séries, nunca vi uma despedida tão emocionante e triste como a de Jax. Cada despedida trouxe a lembrança de momentos e personagens marcantes desta inesquecível série, o ato de beijar o túmulo de Tara e deixar seus anéis no de Opie, não esquecendo também da despedida de Lila. Claro que nada superou o último abraço nos membros de sua família SAMCRO, os quais poupou do ato de matá-lo, já que de qualquer jeito os outros clubes tomariam a decisão de que Jax precisava morrer por ter matado um membro. Assumo que chorei com cada abraço, com o sempre sério, mas extremamente sensível Happy, com o sorriso triste de Tig, o novo VP, e claro as sinceras lágrimas de Chibs, o melhor amigo de Jax e que acabou tendo que assumir o posto de Presidente do SAMCRO e que será o responsável por começar uma nova era no clube. Chibs também foi um personagem marcante e que foi crescendo ao longo da história, gostei de como o personagem recebeu uma atenção maior neste último ano e a ideia do romance dele e depois o rompimento com a xerife foi interessante.

A famosa mendiga que apareceu em vários episódios e em momentos históricos da trama falou pela primeira vez com Jax, na minha visão ela era a morte que acompanhava a todos e sabia o quanto Jax era especial, por isso o avisou de que estava na hora de ele partir. Antes de falar sobre a última cena, preciso concordar que os efeitos especiais desta temporada foram horríveis e o CGI na conclusão da história foi vergonhoso. Acredito ter sido o final perfeito Jax terminar com sua vida dirigindo a moto de seu pai e na mesma estrada em que ele morreu, não foi um ato covarde, pelo contrário, o suicídio foi um ato de libertação e que trará paz para todos aqueles que mais amou nesta vida, seguindo o exemplo de seu pai, mas o levando adiante ao terminar o legado que JT não conseguiu fazer em vida de levar o clube aos negócios legítimos.

Sons of Anarchy e especialmente a história de Jax Teller sempre foi influenciada por Hamlet de Shakespeare, existem várias ligações e referências entre ambas as histórias e as duas mortes principais desta temporada, a de Gemma e Jax fazem parte da homenagem feita por Sutter a essa clássica história. Sons of Anarchy foi a minha série predileta por muitos anos, fui um eterno defensor desta corajosa, poética e violenta história que foi tão desprezada pela mídia e principalmente pelas premiações. Afirmo que até a quarta temporada (2011) a série era a melhor produção em exibição na televisão, depois a partir do quinto ano, muito pela morte de Clay (Ron Perlman histórico!), a história começou a cair, mas em seu último ano voltou ao topo. Kurt Sutter usou como base a vida de um grupo de motoqueiros criminosos para contar uma história poética, trágica que falou sobre ódio, caráter, traição, coragem e de uma maneira única sobre o amor. Sempre lembrarei de SOA como uma das melhores séries da história e que deixa um legado que dificilmente outra produção conseguirá tão igualar ou superar.

Nota da temporada:

quatroNota para a história total de Sons of Anarchy:

quatro_e_meio

Um comentário em “Sons of Anarchy – Sétima Temporada (Final Season)

  1. Amei .Apesar de não concordar com a morte da Tara e de Jex.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s