1 comentário

Crítica: Jogos Vorazes – A Esperança – Parte 1

Jogos Vorazes-3-3Muito mais do que ser a penúltima parte da adaptação para o cinema da franquia literária de Suzanne Collins, Jogos Vorazes – A Esperança – Parte 1 é o primeiro filme da série sem os espetaculares Jogos Vorazes, o que traz um amadurecimento para a história.

Na penúltima parte, Katniss (Jennifer Lawrence) foi salva dos últimos Jogos Vorazes pelos revolucionários que lutam contra o governo do presidente Snow (Donald Sutherland) que temendo perder seu poder destrói o distrito 12 de Katniss. A protagonista descobre então a existência dos sobreviventes do Distrito 13, dito pelo governo como destruído e que foi no passado exemplo contra todos os rebeldes. Katniss então fica no meio desta guerra política, tendo que decidir se vai assumir o papel de líder da revolução, o tordo, o que acaba aceitando principalmente para salvar seu amigo Peeta (Josh Hutcherson) que aparentemente trocou de lado e agora apoia o governo.

Jogos Vorazes-3-2Sem a ação dos Jogos Vorazes a histórica fica mais dialógica e filosófica, colocando questões profundas sociais, os diálogos são mais profundos, mas o filme não deixa de ter curtas e boas cenas de ação com Katniss e seu arco e flecha. O roteiro sempre trabalha os líderes dos dois lados da guerra como pessoas dúbias mostrando as falhas de cada um; de um lado o poder ditatorial e feito pelo medo com Snow e do outro os rebeldes liderados pela Presidente Alma Coin (Julianne Moore) que deseja instigar a revolução nos outros distritos e para isso usa Katniss, uma garota-propaganda prefeita para divulgar as suas propostas.

Os rebeldes, principalmente Plutarch (o espetacular Philip Seymour Hoffman em seu último trabalho), sabem que Katniss não quer ser o tordo e muito menos um exemplo para uma revolução, por isso precisam atiçar este lado dela, o que conseguem com ajuda dos atos desumanos de Snow. O roteiro mais uma vez trabalha a questão da falta de privacidade dos tempos modernos, onde tudo é televisionado e vira um reality show; Katniss sai dos Jogos Vorazes, mas novamente se vê sendo perseguida pela câmera de Cressida (Natalie Dormer), uma revolucionária que tem a obrigação de instigar a revolta de Katniss contra o governo, novamente a protagonista se vê sendo usado como símbolo de uma causa. Os Rebeldes usam o mesmo método de Snow contra ele, utilizando os enormes telões dos distritos para fazer propaganda de seus ideais revolucionários.

Jogos Vorazes-3-1No meio de tudo isso está atípica protagonista feminina Katniss, uma jovem bastante moderna, preocupada muito mais com a sobrevivência sua e daqueles que ama. Personagens importantes nos filmes anteriores, como Effie (a ótima Elizabeth Bakns), ficam em segundo plano e a história centra-se totalmente na luta interna de Katniss entre aceitar ser a líder de uma revolução ao mesmo tempo que tenta salvar Peeta e sua família. Jennifer Lawrece exagera um pouco na atuação dramática e nas caretas, mas ainda assim é dona de um carisma único e que ajuda a dar ainda mais força para uma personagem tão especial.

Collins faz neste filme sua crítica mais forte aos tempos modernos, seja aos governos ditatoriais, os rebeldes que pensam na vitória e esquecem quantas vidas serão perdidas, a guerra como meio de conquista, algo usado muito pelos EUA, a mídia em geral, relembrando qualidades que estão sendo esquecidas, como compaixão, sacrifício pelo outro e o amor. A autora coloca todos estes elementos de uma maneira bastante popular e de fácil entendimento, colocando o seu público-alvo para pensar, o que é cada vez mais raro em filmes voltados para os jovens. É difícil calcular quanto deste discurso da obra de Collins entra na mente do seu público-alvo, principalmente nas mulheres, já que pelas, exageradas, reações na sala de cinema muitas parecem mais preocupadas com o triângulo amoroso entre Katniss, Peeta e Gale (Liam Hemsworth) do que com a parte social.

O artifício hollywoodiano de dividir o último livro da franquia em duas partes aqui ganha um objetivo vital, como um longo, atraente e profundo prelúdio para explicar e preparar a sua protagonista, e o público, para a guerra que está por vir no último filme da franquia que estreia em novembro de 2015.

quatro

Anúncios

Um comentário em “Crítica: Jogos Vorazes – A Esperança – Parte 1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s