2 Comentários

Boardwalk Empire – Quinta Temporada (Última Temporada)

boardwalk-empire-eldorado-steve-buscemiQuando Boardwalk Empire estreou foi um sucesso instantâneo e muitos acreditavam, inclusive eu, que a série deixaria uma grande marca. Aos poucos a série foi diminuindo de qualidade, perdendo-se em muitas tramas e personagens, algo que ficou bem visível nesta última temporada da série. Terminar uma história que se baseia em fatos reais e com tantos personagens em apenas oitos episódios era um desafio complexo para os roteiristas, algo que cumpriram de forma mediana, algumas vezes de forma apressada, os finais de Van Alden e Chalky White, e outras  dando dignas conclusões, como a do protagonista Nucky. Penso que a série perdeu a chance de entrar para a história no fim da segunda temporada com a morte de Jimmy, um personagem que era essencial para a trama, alguns dizem que isso aconteceu por causa do difícil gênio de seu intérprete Michael Pitt que tinha péssima relação com seus colegas de elenco. Jimmy foi tanto um personagem importante que o fim de Boardwalk Empire esteve ligado totalmente ao seu legado.

Começando pelos personagens secundários e suas apressadas conclusões, como a jornada de Van Alden (o espetacular Michael Shannon) de homem da lei que passou a trabalhar para as mesmas pessoas que desejava no começo tanto prender. Van Alden pagou pelos seus pecados, cometeu inúmeros erros e foi derrotado pelo seu próprio temperamento, este foi o seu verdadeiro ponto fraco. Em toda sua fúria Van Alden voltou a sua origem em suas últimas palavras ao dizer quem realmente era para Capone, mas morreu pateticamente, um reflexo de toda sua vida, sendo mais uma vez vítima e traído pela lei que tanto acreditava e defendia. Quem também foi do topo a sarjeta foi Chalky White (competente Michael Kenneth Williams) que por causa do amor que sentia por Daughter tomou atitudes que definiram seu destino. A fuga de White da prisão rendeu algumas dos melhores momentos da temporada, como o enredo do sequestro da família branca pelo maluco que fugiu com White. O que White sempre quis era reencontrar e salvar Daughter das mãos de Narcisse, ainda descobriu que este perigoso romance trouxe uma nova filha para ele. White sabia desde o começo que ao salvar Daughter tinha assinado sua pena de morte, mas o velho White parece ter morrido anos atrás quando perdeu sua liberdade. O que leva ao justo fim também para Narcisse sendo morto facilmente pelos homens de Lucky, morto pela sua ganância e por achar que era invencível.

Quem curiosamente no fim sobreviveu foi Eli, algo que só aconteceu por ser irmão de Nucky. O maior problema de Eli sempre foi viver na sombra de seu irmão, sempre desejando assumir o lugar de Nucky, mas sem capacidade para isso. No fim Eli e Nucky fizeram as pazes, com o protagonista deixando seu dinheiro para seu irmão tentar mais uma vez se levantar e voltar para sua família, quem sabe com agora Nucky morto, Eli consiga criar a sua própria vida. Quem teve uma conclusão bonita foi Margaret que sempre foi uma das melhores personagens da série, mas acabou ficando em terceiro plano ao longo da história da série. O episódio de despedida de Nucky e Margaret dançando no Eldorado, local onde tudo começou a dar errado para o protagonista, foi muito bonito. No fim Nucky a ajudou a se libertar dele e descobrir seu próprio potencial nos negócios, adorei como ela mostrou ser uma mulher confiante e capaz de entender o jogo da bolsa.

O melhor enredo desta temporada foi a subida de Al Capone (perfeito Stephen Graham) rumo ao topo e virando o gangster que marcou a história, Al Capone alcançou o seu sonho de ser poderoso, temido e famoso. Nesta curta participação foi possível ver todos os lados de Capone do homem violento até o chefe de sua família, fiquei com lágrimas nos olhos ao ver Capone conversando com seu filho surdo que tanto rejeitou no começo e agora aceita e confia nele, a ponto de somente para ele assumir que poderia ser preso. Capone manteve a sua imagem de homem poderoso e que não teme nada até o fim, recriando em sua última cena uma das fotos mais marcantes da história com o mafioso, vestindo seu terno banco, chegando ao tribunal que vai acabar colocando um ponto final na sua história.

Muitos acreditam que para entender a morte de uma pessoa é preciso conhecer o seu passado, é exatamente isso que o último ano da série tentou fazer ao contar em um longo flashback a origem de Nucky. Os roteiristas tomaram uma liberdade artística total ao criar um novo final para a história de Nucky Thompson, separando o homem de verdade, que morreu aos 80 e poucos anos, desta versão da série. Como este seria o último ano da série a ideia do uso do flashback é até aceitável, mas não deixo de pensar que este artifício narrativo poderia ter tido um impacto maior se tivesse sido usado ao longo da série. Faria muita diferença para a história saber desde o começo como Nucky conheceu Gillian, talvez essa foi a revelação mais impactante e forte desta temporada.

Todo o flashback pode ser resumido na marcante e melhor cena de Boardwalk Empire quando Nucky para alcançar o poder entregou a pequena Gillian para o Comodoro. Este ato perseguiu Nucky pelo resto da vida, quase como uma maldição, passando pelo peso de ver o que o Comodoro fez com Gillian, a aliança e depois o fim da mesma com Jimmy até a vingança de Tommy acabando com a vida do homem que destruiu sua família. O flashback serviu muito mais para entender o que levou Gillian ao fundo do poço, preferindo ser internada em um hospício, bom debate sobre os métodos antigos da medicina, do que ser condenada a morte. Aquela pequena garota ruiva que só queria apenas ser livre acabou presa a diferentes homens por toda sua vida, Commodoro, Nucky e o próprio Jimmy.

Não tinha desconfiado que o tal garoto Joe era na verdade Tommy, filho de Jimmy, talvez planejando continuar o trabalho de seu pai, mas ao ver Nucky derrotado decidiu matá-lo e pronto, o que foi um golpe burro já que foi preso logo em seguida, continuando assim a maldição dos Darmondy. Pela lógica da trama Nucky tinha que morrer no final, na minha visão ele deveria ser assassinado por Lucky ou até por alguém próximo, talvez a própria Gillian; porém o roteiro foi pelo caminho mais óbvio de que Nucky tinha que morrer na rua onde tudo começou e pelas mãos de Tommy, uma vingança particular também para Gillian que talvez já soubesse que isso iria acontecer.

O destino de Nucky foi marcado logo no começo da temporada com a tentativa de assassinato em Cuba, o que consequentemente levou a morte de Sally (ótima Patricia Arquette) que pelo menos não entregou sua vida facilmente. Daí em diante começou a derrocada de Nucky Thompson no sentido de perder seu poder, a pessoal começou muitos anos atrás quando conheceu Gillian.Nucky foi aquele garoto fraco que foi crescendo e vendeu sua própria alma e caráter pelo sonho de alcançar o poder, ser diferente de seu pai, tudo para alcançar aquela moeda que iria mudar sua vida; uma vida resumida na frase dita pelo próprio: “Eu sou o que preciso ser”. Uma marca da série foi provar o talento de um ator como Steve Buscemi, muitas vezes relegado a comédias no cinema e que fez nesta série a melhor atuação de sua carreira.

A última temporada de Boardwalk Empire mostrou historicamente a transição da clássica geração de gângsteres (Nucky, Narcisse e Capone) para uma nova liderada pelo ambicioso Lucky Luciano (Vincent Piazza) e seus aliados que juntos assumiram a liderança. Se a série deixa um legado é de colocar seu protagonista como o exemplo perfeito de uma época e de uma geração de pessoas que usaram a lei seca como uma maneira de ganharem dinheiro. Boardwalk Empire alcançou seu ápice nas suas duas primeiras temporadas e depois manteve uma qualidade mediana, merece no máximo entrar para a lista de 100 melhores séries da história.

Nota da temporada:

tres_e_meio

Nota final para Boardwalk Empire:

quatro

2 comentários em “Boardwalk Empire – Quinta Temporada (Última Temporada)

  1. Desde o início desta série Boardwalk Empire eu não perdi, mas para muitos é um pouco lento, eu acho que conta a história dos anos 20 de uma forma muito bem sucedida e quando aumentar o clímax faz uma surpresa

  2. Concordo com a crítica mas acho que mesmo sem o Jimmy a terceira temporada é muito boa e o “buraco” deixado por ele é perfeitamente preenchido pelo Gyp Rosetti. Acho que os roteiristas começaram a se perder na quarta temporada, introduzido muitos personagens sem os desenvolver adequadamente e também deixando de lado personagens importantes. O final foi muito previsível e vazio. No final das contas fica um sentimento de decepção porque a série começou de uma forma excelente lembrando muito o que foi feito no Sopranos e acaba com mais do mesmo. Com certeza vale a pena assistir, mas perderam a oportunidade de fazer história de novo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s