3 Comentários

Série Nova: Finding Carter – 1×01 e 02 – Pilot e The Birds

Screen-Shot-2014-06-11-at-12.11.10-PMCertos tipos de histórias não ficam velhas por mais que sejam repetidas, seja na realidade ou na ficção, devido a atração e curiosidade que causa. Por isso Finding Carter estreia com uma premissa que é capaz de chamar atenção de qualquer pessoa, acompanhando uma adolescente que descobre que foi sequestrada quando tinha apenas 3 anos pela mulher que acreditava ser sua mãe.

Carter (Kathryn Prescott, de Skins) é uma jovem que tem uma vida feliz ao lado de sua mãe Tori (Milena Govich, de Rescue Me) e seus amigos. Em uma reviravolta inesperada em sua vida Carter descobre que na verdade Tori não é sua mãe, mas sim a sequestrou de sua verdade família quando tinha apenas três anos. Carter primeiro descobre que seu verdadeiro nome era Linden e que tem até uma irmã gêmea.

Então rapidamente Carter se vê frente frente com sua verdadeira e biológica família formada por sua mãe Elizabeth (Cynthia Watros, de Lost), seu pai David (Alexis Denisof, de How I Met Your Mother), sua irmã gêmea Taylor (estreante Anna Jacoby-Heron) e seu irmão mais novo Grant (Zac Pullam). Como ressalta a apresentação da série a vida de Carter simplesmente vira de cabeça para baixo mudando totalmente; com Lori tinha vida simples e bem urbana; já sua nova família é a típica americana do subúrbio rica e bastante educada; causando assim outro choque, desta vez cultural em Carter.

A opção de estrear os dois primeiros episódios de uma vez ajudou a ter uma visão mais ampla sobre as qualidades e fortes defeitos da série. O velho ditado diz que a pressa é inimiga da perfeição é o que acontece exatamente em Finding Carter; se por um lado acerta ao acelerar a história e colocar a reviravolta logo nos primeiros minutos do episódio, no restante cria muitos dramas e enredos que precisavam acontecer de forma mais lenta e gradual. O roteiro do episódio piloto se apressa demais em criar dramas e conflitos, como Carter logo criar uma atração com Gabe (Jesse Henderson, de Inquietos), o adolescente por quem sua irmã gêmea Taylor tem uma forte queda; desta maneira cria-se um conflito entre as duas irmãs e uma disputa amorosa, que sinceramente é um grande clichê.

Apesar de normais, a série tem bons personagens que parecem reais pelas suas imperfeições de caráter. Prescott traz vida e identidade própria para Carter que conquista inicialmente e parece uma personagem de fácil apego; porém seu estilo moderno e autoconfiante no segundo episódio pareceu mais um sinal de arrogância. Gostei da personalidade de Carter, mas não senti pena ou ligação com o drama que a personagem está vivendo, o que acredito ser por causa do seu exagerado sarcasmo.

Sobre as duas mães de um lado temos Tori que é muito mais do que a mãe de Carter, sim sua melhor amiga de Carter, muito por ser uma mãe que não sabe impor regras. O episódio piloto tenta apresentar Tori de uma maneira que não pareça a vilã da história, deixando no ar o real motivo dela ter sequestrado Carter, porém acho que torná-la uma vítima já é um exagerado. Não gostei também da maneira encontrada para aproximar Carter de Tori novamente, acredito que seria melhor afastar a sequestradora e colocá-la nos momentos certos, até para criar um sentimento maior de saudades na protagonista pela sua mãe; como também abrir espaço para desenvolver o enredo de Carter conhecendo sua nova família e não ficar divido com essa perseguição contra Tori.

Em uma frase marcante do piloto Carter descreve sua mãe biológica Elizabeth como a sua real sequestradora, o que realmente parece, surge assim um forte embate entre Carter e Elizabeth que não parecem ter nada em comum. Elizabeth é a mulher que perdeu tudo que tinha de feliz e bom dentro de si depois que teve sua filha sequestrada ficando com uma personalidade de uma geladeira. Elizabeth dentro de si sofre pela culpa do sequestro de Carter e porque sabe que não deu para seus filhos a atenção que eles mereciam porque estava ou melhor está mais preocupada com seu trabalho. A história dela ter uma amante dava um tom dramático bom para mostrar como Elizabeth estava pronta para recomeçar uma nova vida, mas acaba ficando presa a sua família novamente agora que Carter retornou, mesmo não estando feliz. Esse enredo funcionaria até bem se o seu amante não fosse o pai de Gabe, o que cria mais um desnecessário drama envolta deste fraco personagem e uma ligação desnecessária entre os enredos adulto e adolescente.

Outro personagem bastante dúbio e imperfeito é David, o pai de Carter, que ficou famoso como escritor após contar a história do sequestro de Carter em um livro. David vende a imagem de simpático e capaz de conquistar a todos, até Carter cria uma rápida ligação com ele; porém na realidade está disposto a usar novamente a história de Carter para o seu novo livro, a maneira que ele pretende usar Carter faz com que o personagem torne-se tão odiável como Elizabeth.

Taylor parece a típica adolescente tímida e sem personalidade e que agora terá uma competição com sua extrovertida e carismática irmã gêmea, principalmente pelo insosso do Gabe. O personagem que considerei o melhor é o super esperto Grant que nasceu como tapa buraco no lugar de Carter, por isso é esquecido pela sua família. Mesmo assim o menino leva bem a situação usando de um perspicaz sarcasmo, formou nos dois episódios uma ótima dupla com Carter, já que parece ser na nova família da protagonista a pessoa com que mais se assemelha.

Inicialmente Finding Carter foi produzida para o canal ABC Family que tem uma longa experiência em séries deste tipo; a história acabou parando nas mãos da MTV que ainda está começando a investir em séries e ainda tenta criar um estilo próprio, mas até conseguir apenas copia tudo que já foi feito. O tom que a história é contada parece bastante forçado desde a sua trilha sonora com músicas atuais para conquistar o público jovem até na sua edição, com inúmeras insuportáveis montagens de Carter e Tori.

Essa falta de personalidade, e porque não ousadia, é bastante sentida em Finding Carter. A minha crítica principal a trama é o seu exagerado tom de drama adolescente no qual a história é contada, falta mais maturidade a narrativa que investe demais em cenas dramáticas para comover; o que ficou bastante claro no segundo episódio com todo o drama de Carter tendo uma overdose, algo totalmente desnecessário e uma solução dramática comum.

Tenho certeza que Finding Carter na ABC Family teria um tom totalmente oposto a este adolescente moderno da MTV, no outro canal teria a liberdade para se aprofundar em sua trama e não ficar apenas preocupada em fazer uma história piegas que parece um clipe musical com uma duração de 42 minutos.

Vai dar certo? Incerto, a MTV não costuma ter um histórico bom na sua investida em séries e acredito que Finding Carter teria um potencial maior e mais chance de dar certo em outro canal.

Para quem gosta de…:  séria dramáticas, dramas teen.

O TV Cinema e Música vai acompanhar? Não, pelo mesmo motivo de sempre da política do blog de não assistir uma série da qual não combina com o meu gosto pessoal.

dois_e_meio

3 comentários em “Série Nova: Finding Carter – 1×01 e 02 – Pilot e The Birds

  1. que estranho li uma critica exatamente oposta a sua. #diferente

  2. […] nenhuma surpresa a MTV americana renovou a série Finding Carter para sua segunda temporada que terá 12 episódios com estreia prevista para o primeiro semestre de […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s