Deixe um comentário

Série Nova: Power – 1×01 – Not Exactly How We Planned

Power1-e1402310949694Produzida pelo rapper 50 Cent e voltada principalmente para o público negro Power mostra os bastidores e o lado sombrio do universo gângster.

Acompanhamos James “Ghost” St. Patrick (o seguro Omari Hardwick, de Kick-Ass), que abriu recentemente uma das boates mais populares de Nova York, negócio que tem como gerente e sócio Josh Kantos (Adam Huss, de The Bold and the Beautiful); o clube na verdade é um disfarce para lavar o dinheiro do verdadeiro negócio de Ghost, o tráfico de drogas; o qual tem como principal parceiro seu amigo de infância Tommy (o sempre bom como vilão Joseph Sikora, de Banshee). Ghost é um respeitado traficante local que ao mesmo tempo que abre a boate começa a expandir seu negócio de drogas em parceria com um ainda mais temido traficante chamado Lobos (Enrique Murciano, de CSI), uma parceria que entra em crise quando Ghost descobre que alguém está o traindo e tentando derrubar seu negócio.

Ghost é estereótipo do afro-americano, aquele que viu o tráfico de drogas como a resposta para sair de uma vida ruim que teve na infância no gueto, porém depois de alguns anos no bem-sucedido, mas perigos, o negócio, quer tentar ganhar uma vida limpa, o que acredita que conseguirá se a sua boate der certo. Ghost ainda dentro de si gosta do universo do tráfico e sabe que é por causa dele que conseguiu sua vida rica e cheia de prazeres, os quais divide com sua família, incluindo sua carente esposa Tasha (Naturi Naughton, de The Client List).

Apesar de não apresentar nenhuma ideia inovadora, a história é bem certinha e não deixa de ser atraente ao colocar um personagem principal que vive uma dúvida dentro de si sobre qual rumo seguirá em sua vida; Ghost parece dentro de si querer ter uma vida mais limpa e menos perigosa, cansado de viver constantemente com a sensação de que algo ruim acontecerá, por outro lado tudo ao seu redor o leva a entender que talvez sair deste mundo não seja tão fácil. A boate apesar de bem-sucedida talvez nunca lhe dará o mesmo dinheiro que ganha com o tráfico; ainda é pressionado pelo seu braço direito Tommy que não está nada disposto a largar o negócio e o episódio deixar no ar que talvez ele seja o traidor, o que será um duro golpe para Ghost.

O motivo principal para Ghost repensar sua decisão de abandonar sua vida ilegal é sua esposa Tasha, a personagem que mais gostei nesta estreia, com boa atuação de Naturi Naughton que levou bem até as cenas mais pesadas e de sexo, ambas desnecessárias e colocadas unicamente para atrair o público masculino. Tasha conheceu Ghost antes dele torna-se este homem poderoso, mas parece o ter escolhido porque já sentia que ele seria este homem poderoso capaz de lhe dar tudo que deseja joias, roupas e etc; porém Ghost não dá atenção física e emocional que Tasha realmente sonha, desejo que não mostra para ninguém e esconde na imagem de mulher forte; essa carência ficou evidente na mentira contada por Tasha para sua amiga e na cena em que provocou o motorista, situações criadas unicamente para Tasha se sentir poderosa e desejada.

O casal viverá uma crise ainda maior com a chegada de Angie (Lela Loren, de Gang Related) que depois de 18 anos reaparece na vida de Ghost, uma paixão antiga e que terminou depois que Angie o abandonou porque sonhava em sair do gueto e ser alguém melhor; um amor antigo e que ressurge na mesma hora que Ghost tem saudades da época em que não tinha todo este poder e era apenas um garoto do gueto. Mal sabe Ghost que não foi coincidência a volta de Angie que na verdade é uma delegada participando de uma operação para derrubar Lobos e para isso pretende usar o próprio Ghost; desta maneira o protagonista se vê em uma situação em que está sendo usado por Angie e por todos ao seu redor.

Power é como o seu caricato personagem principal, uma junção de estereótipos sobre o universo dos gângsteres, absolutamente nada na série é diferente de tudo que já foi contado em outras produções do gênero, pelo contrário é tudo uma grande repetição; dinheiro, poder e disputas pelo mesmo, violência, traficantes de todas as etnias possíveis e muito sexo. A presença de 50 Cent como produtor principal é muito mais pelo seu histórico e fama tanto no mundo do hip-hop como no crime, sendo que sua presença é marcada somente pelas suas músicas na trilha sonora.

Vai dar certo? Já deu, com apenas dois episódios exibidos o canal Starz já renovou Power para uma segunda temporada o que não é uma surpresa já que o canal geralmente faz isso com todas suas produções e depois do segundo ano decide o futuro real da série. Vejo em Power a oportunidade e artifícios para conquistar o seu público-alvo e ter uma vida longa.

Para quem gosta de…: história de gângsteres, universo do hip-hop, dramas, 50 Cent.

O TV Cinema e Música vai acompanhar? Não, seguindo a política do blog de que não assisto séries das quais não terei o prazer em assistir.

tres

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s